Não sei quantas pessoas você conhece que já passaram pelo câncer de mama. Eu, confesso, não conheço muitas. Sei de muitos casos, mãe de amigos, irmã de alguém, uma conhecida que não vejo há séculos, mas nunca convivi com o tratamento de câncer de ninguém. Nunca acompanhei de perto todas as etapas e nem estive sendo o suporte emocional que se faz necessário nesse momento.


Precisamos falar sobre o câncer de mama

E é por isso que quis escrever esse post pesquisando bastante em fontes confiáveis para que pudesse ajudar, alguém sem referências pessoais, como eu. O câncer é uma doença que atinge mulheres em diferentes idades, em geral acima dos 35 anos, mas ela não é inexistente nem em homens, então, tudo que for postado aqui deve ser também repassado às amigas, conhecidas, pessoas que leem suas redes sociais como forma de multiplicar o conhecimento. Não adianta falarmos de Outubro rosa sem nos engajarmos nessa causa.

O câncer de mama pode causar dor

Quando falamos em sintomas logo lembramos de dor, afinal esse é o sintoma de alerta de quase todas as doenças que conhecemos. No caso do câncer de mama, não há dor no tumor mas ele pode causar dor nas adjacências. Por exemplo, ele pode pressionar os músculos ao seu redor, também as  estruturas vasculares e nervosas do entorno. A dor pode existir em decorrência do tumor mas não nele em si. Então, caso sinta alguma dor, saiba que é importante investigar, não fique com a informação de que câncer não dói e é isso.  Quando o tumor é inicial, bem pequeno, dificilmente sentirá dor, porque ele ainda não expandiu a ponto de pressionar as estruturas das mamas.

Outros sintomas do câncer de mama

Além da dor no entorno do tumor, a mama também pode apresenta outros sintomas que são um alerta para procurar o médico imediatamente e investigar a possibilidade do câncer.  A pele do seio pode apresentar uma vermelhidão  na pele, você pode sentir suas mamas constantemente inchadas e doloridas ao toque, depressão na pele ou retração do mamilo. Esses sintomas podem aparecer juntos ou separados, mas lembrando que eles não são sinal de câncer mas, se forem, já sinalizam que algo não está bom há algum tempo. Procure o sistema único de saúde da sua cidade e já peça o atendimento de emergência ginecológico. Cada dia de tratamento é fundamental para que fique tudo bem!