No mês de Junho tivemos o Dia Nacional do Diabetes, que foi no dia 26,  e é sempre interessante e útil produzirmos conteúdo ligado a esse tema. Aproveitei para pesquisar informações atualizadas que liguem o nosso universo da beleza, cuidados com o corpo, com a saúde. Hoje iremos falar de um assunto delicado, o pé diabético. A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) adverte sobre os riscos que a doença representa para o organismo e destaca que pessoas diabéticas devem examinar os pés diariamente, isso mesmo, a procura de alterações de sensibilidade na pele ou lesões. Mas, afinal, por que isso?

O que é  pé diabético?

O pé diabético pode trazer muitos problemas, ele é um conjunto de sintomas na região, caracterizado pela presença de infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados às anormalidades neurológicas. Ele pode aparecer em diferentes graus de diabete, ou seja, não está relacionado apenas aos casos mais severos, por isso o alerta é ainda mais importante. Vamos identificar os sintomas de forma mais específica agora, porém, caso não se sinta confortável para fazer esse exame sozinha, encaminhe esse texto ( ou imprima ) para sua manicure, podóloga… repasse ao seu companheiro ou companheira, não tenha vergonha de buscar uma rede de apoio nesse momento.

Alterações do pé diabético

Alguma das alterações que ocorrem no pé diabético são a  dormência ou sensação de queimação nos membros inferiores. Choquinhos, perda de sensibilidade.

Tudo isso são alterações neurológicas que precisam ser identificadas. Já na pele são os pés avermelhados, ressecados, quentes e inchados. Se você observa alterações no formato dos pés, se eles estão curvando, se os dedos estão se sobrepondo, isso também é um sinal. E as dores nas coxas ou panturrilhas ao caminhar.

O que fazer para cuidar do pé diabético

Os cuidados não se restringem ao local especificamente, é importante fazer o controle dos níveis de glicemia e do peso e fazer atividade física regular. No local não deixe nunca de lado os cuidados de higiene, a hidratação da pele e cutícula, cuidados profissionais com os pés.Se apresentar um ferimento no pé, não force, utilize muleta, andador ou bengala para auxiliar a locomoção, e não pule sobre um pé só, porque isso aumenta o risco de quedas, sobrecarga, atrito ou entorse e lesão.