Desde que em envolvi com a educação, lá atrás quando ainda fazia estágio, me deparei com algumas situações em relação aos distúrbios alimentares e posso dizer uma coisa sobre eles: eles não são claros. Ninguém chega até os pais, amigos e professores dizendo claramente: “Eu tenho um distúrbio alimentar, por favor, me ajude!”. Isso pode até acontecer, mas não é como a prática mostra. Os distúrbios alimentares em adolescentes e adultos vão surgindo aos poucos e vão dando alguns sinais de que estão acontecendo. Aliás, um dos maiores indícios de que os distúrbios estão progredindo é quando quem os sofre, começa a apagar os vestígios dele de forma consciente.

Pró-Ana e pró-Mia são doenças?

Para escrever esse texto sobre o assunto fui procurar o que há de mais recente dentro da anorexia e da bulimia para que estejamos preparados para entender e,só então depois, podermos ajudar a quem está próximo a nós. Se não entendemos o que é, como ocorre e seus contextos, temos a tendência de achar que é algo bem fácil de resolver, algo que em duas conversas está solucionado… esse é o maior erro. O entendimento vai nos munir do que podemos e do que não podemos fazer sozinhos em relação ao tema. Vamos aos pontos principais!

Ana e Mia são as formas que os adeptos de uma dieta desbalanceada e extremamente restritiva utilizam. São eufemismos para anorexia, distúrbio alimentar gravíssimo que leva a morte de forma lenta e dolorosa, e bulimia, outro distúrbio onde, ao contrário do primeiro, a pessoa ingere alimentos e os vomita ou provoca diarreia.

Os dez mandamentos da Pró-Ana e pró-Mia

Para entendermos melhor porque alguma pessoa faria isso ao seu próprio corpo temos que entender os mandamentos por trás dessa prática. São eles:

1. Se não és magra, então não és atraente;
2. Ser magra é mais importante que ser saudável;
3. Deves comprar roupa, cortar o cabelo, tomar laxantes, passar fome, fazer de tudo para pareceres mais magra;
4. Não deves comer sem te sentires culpada;
5. Não deves comer alimentos hiper-calóricos sem te punires depois;
6. Deves contar as calorias dos alimentos, e de acordo com isso, restringir a sua ingestão;
7. O que diz a “Balança” é o mais importante;
8. Perder peso é bom; Ganhar peso é mau;
9. Nunca és magra demais;
10. Ser magra e não comer são sinais de verdadeira força de vontade e sucesso;

Existem muitos outros que podem ser encontrados com facilidade na internet. Esses dez eu encontrei em um site de psicologia que estuda vários aspectos do assunto e foi a reunião dos mais comuns por aí. Mas já temos uma ideia geral de como funciona o pro-ana e pro-mia: seja magra a qualquer preço. O preço é a própria saúde.

Pró-Ana e pró-Mia: um ataque a autoestima das jovens

São tantas frases de depreciação do corpo normal, do corpo gordo que fiquei até impressionada, e olha que quem trabalha com educação física na educação básica se impressiona com pouca coisa. Frases fortes que podem destruir a autoestima das adolescentes que tenham o acúmulo perfeitamente normal de gordura, como ” A gordura é suja e paira sobre você como uma parasita.”. Imagine acompanhar esses sites e se sentir suja e com uma parte considerável do seu corpo, afinal a gordura está espalhada por toda nossa extensão, está tomada de vermes ou algo nojento do tipo. Ao nos depararmos com adolescentes com distúrbios ou ao sentirmos que eles estão chegando até nós ( não sei se a leitora que está do outro lado é uma adolescente em busca de dicas para emagrecer ) , temos que ter noção da força dessas ideias sobre uma mente em formação.

Sintomas de distúrbios alimentares

O tratamento dessas doenças envolve uma equipe multidisciplinar, normalmente composta por médico, profissional da saúde mental e nutricionista. Antidepressivos, sobretudo se usados juntamente com a psicoterapia, podem reduzir os sintomas. Os sintomas  podem ser encontrados isolados ou juntos, também se confundem com outras doenças. É importante saber identificá-los para ajudar quem está em sofrimento:

Sintomas Comportamentais de Pró-Ana e pró-Mia

  • Obsessão por comida e ingerir grandes quantidades de alimentos
  • Comer escondido
  • Indisposição após as refeições
  • Provocação de vômito
  • Abuso de laxantes, substâncias para emagrecer e diuréticos
  • Ficar muito tempo em jejum
  • Exercício físico excessivo
  • Fuga a situações que envolvam comida de forma geral
  • Isolamento Social

Sintomas físicos da Pró-Ana e pró-Mia

São os mais fáceis de serem observados no dia a dia de quem convive com o problema.

  • Grandes variações no peso; Embora normalmente se apresentem com um peso dentro da normalidade;
  • Glândulas salivares inchadas, resultante da provocação continuada do vômito;
  • Garganta irritada
  • Problemas dentários (esmalte desgastado e surgimento de cáries)
  • Fadiga
  • Fraqueza muscular
  • Dificuldades em dormir
  • Irregularidade menstrual
  • Vasos sanguíneos rebentados

Sintomas Psicológicos

  • Alterações de humor
  • Emotividade e Depressão
  • Obsessão por dietas
  • Medo de não conseguir parar de comer voluntariamente
  • Auto-crítica severa
  • Pensamentos de auto-censura depois de comer
  • Autoestima determinada pelo peso
  • Necessidade de aprovação dos outros

Quem sãos os mais atingidos com Pró-Ana e pró-Mia?

Infelizmente, a Bulimia Nervosa é uma doença que se manifesta de forma bem mais expressiva no sexo feminino. O sexo masculino não escapa mas a forma mais encontrada é no exagero nos exercícios físicos e não na forma de expelir os alimentos ingeridos para purificar o corpo. A faixa etária mais atingida é a casa dos vinte anos porém a doença começa  a se manifestar bem antes e, por ser uma doença silenciosa, só nos damos conta dela quando se passaram vários anos de sofrimento e privações. Infelizmente a família as vezes só percebe quando os comprometimentos da saúde são irreversíveis.

Pró-Ana e pró-Mia: Como ajudar alguém com distúrbios alimentares?

Dietas como os chamados NF’s – No Food, períodos longos de jejum  e  os LF’s – Low Food: baixíssimo consumo de calorias, os laxantes de efeito rápido, os remédios para asma que aceleram o metabolismo e outras artimanhas precisam ser identificados por quem está próximo para que possa ajudar.

O que é ser magro e o que é ser gordo, em relação à saúde, é calculado através do IMC. Mostrar esse cálculo, sério e validado, é importante para a visualização do problema. A Organização Mundial de Saúde recomenda que seja utilizado o Índice de Massa Corporal (IMC) que se determina através da divisão do peso (kg) pela altura, ao quadrado (m2).

  • IMC = 25 – 30: Pré-obesidade
  • IMC > ou = 30: Obesidade
  • IMC= 18,5 – 25: Peso normal
  • IMC < 18,5: Baixo peso

O baixo peso traz tantos problemas quanto o peso a mais. Sabendo disso sabemos que temos que tomar uma atitude ao  nos depararmos com uma pessoa sofrendo dessa forma embora ela ache que está bem.  Exames médicos e analises laboratoriais podem ser uma evidências mas sempre vai depender do envolvimento de quem está passando pelo distúrbio. A conversa e o apoio psicológico tem que ser a primeira parte. É uma questão de ordem mental grave que se arraiga com facilidade na mente em formação.