menopausa

Se você quer entender mais sobre menopausa e climatério, eu explico: a gente nasce com um número X de folículos. Um por mês vai saindo e se transformando em óvulo a cada menstruação. Não nascem mais folículos, só aquele número mesmo. E é esse o motivo de um belo dia a menopausa chegar, eles acabaram. Porém todo processo de fazer o ciclo funcionar, e toda aquela beleza da vida que acontece todos os meses no nosso corpo, continua até as coisas entrarem no eixo e se equilibrarem.  A quantidade de hormônios envolvida nesse processo é que dá o desequilíbrio e causa todos os sintomas que veremos hoje.

Não se deixe desanimar ao ler os sintomas que ocorrem após a última menstruação. Eles são o corpo se adaptando às mudanças e todas as mudanças tem sua beleza, suas novidades e claro, vantagens e desvantagens. As alternativas para melhorar os sintomas serão o ponto forte do nosso post hoje, prometo! A vida tem muitas fases e devemos vivê-las!

Qual a diferença entre menopausa e climatério?

Climatério e menopausa são termos que frequentemente causam confusão, pois são usados como se tivessem o mesmo significado, quando na realidade são eventos distintos.

menopausa nada mais é do que a última menstruação, momento no qual a mulher entra no período pós-menopausa. Pode-se dizer que a mulher apresentou sua última menstruação quando está há mais de um ano sem menstruar.

O climatério é o período de transição em que a mulher passa da fase reprodutiva para a fase não-reprodutiva. Essa alteração ocorre devido a uma diminuição dos hormônios produzidos pelos ovários levando ao fim da fase reprodutiva da mulher e ocorre por volta dos 50 anos. O climatério precoce ocorre quando estes sintomas surgem por volta dos 40 e 45 anos de idade.


Como saber se está na menopausa

A pré-menopausa alguns sinais de alerta podem aparecer antes da chegada da menopausa: Mau humor, ansiedade, afrontamentos por vezes acompanhados pela transpiração ou, problemas urinários devido ao períneo que perde elasticidade, são todos os inconvenientes que possam surgir. Estas mudanças não acontecem de repente, mas estão espalhados ao longo de vários anos. Algumas mulheres não experimentam alguns destes sinais. Com a chegada da idade crítica o ideal é se consultar com um ginecologista para avaliar se a menopausa está chegando e o que fazer.

Breve histórico da menopausa e do climatério

No século XVII apenas 28% das mulheres chegavam no período de climatério, sendo que 5% atingiam a faixa dos 75 anos. Atualmente 95% delas chegam a menopausa e 50% atingem os 75 anos. Isso significa que com esse aumento da longevidade a perspectiva é de que as mulheres passem pelo menos um terço de sua vida na menopausa.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que em 2030, cerca de 1,2 bilhões de mulheres terão mais de 50 anos, um número três vezes maior do que em 1990. Não existe idade predeterminada para a mulher que entra nesse ciclo. Geralmente ocorre entre os 45 e 55 anos, mas é muito comum também em mulheres a partir dos 40 anos sem que isso seja um problema. Se você está nessa venha comigo! Vamos falar dos sintomas e das soluções.


Sintomas do climatério

Estes sintomas surgem um pouco antes da última menstruação e podem durar de 2 a 3 anos. Além destes, outros sintomas típicos do climatério incluem:

  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Tonturas e palpitações;
  • Insônia;
  • Suores noturnos;
  • Coceira e secura vaginal;
  • Desconforto durante as relações sexuais;
  • Osteoporose;
  • Perda de elasticidade da pele;
  • Diminuição do tamanho das mamas;
  • Depressão e irritabilidade;
  • Aumento de peso;
  • Acordar muitas vezes durante a noite;
  • Dor de cabeça e falta de concentração;
  • infecção urinária; incontinência urinária ao esforço;
  • dor nas articulações;
  • perda dentária e
  • doenças cardiovasculares.

Estes últimos sintomas podem ser notados com menor intensidade e todos eles estão relacionados à falta de produção hormonal dos ovários.


Dicas para evitar os efeitos do climatério

Evite consumir muita cafeína, uma vez que as ondas de calor também podem ser sinal de que suas glândulas adrenais (localizadas acima dos rins que ajudam o organismo a tratar o estresse) estão sobrecarregadas. A linhaça é outro alimento que ajuda a combater os efeitos do climatério, sendo que a use preferencialmente triturada em pães, iogurtes e sucos.

A aromaterapia é um tratamento natural com muitos benefícios, inclusive, para aliviar os efeitos do climatério. Uma dica é misturar a um frasco de 50 ml de óleo de amêndoas oito gotas de cada uma dessas essências: manjericão, louro, hortelã, sálvia e anis estrelado. Pingue poucas gostas no interior dos pulsos e dos braços e esfregue quando sentir ondas de calor ou até três vezes ao dia.

Você também gostar de ler:


Como tratar os sintomas do climatério

Embora muitos médicos costumem receitar tratamentos a base de hormônios sintéticos para a mulher se livrar dos sintomas do climatério. Existem outras formas, como remédios naturais para aliviar os efeitos da menopausa, que além de serem eficientes não têm efeitos colaterais como alguns dos tratamentos com hormônio tradicionais.

O tratamento pode ser realizado sem o auxílio de medicamentos (tratamento não farmacológico), usando, por exemplo, a acupuntura ou estabelecendo modificações no estilo de vida. Neste caso, usar roupas leves, diminuir a temperatura dos quartos, beber bebidas frias, evitar alimentos quentes e apimentados, praticar atividades físicas, reduzir o peso e parar de fumar são medidas que podem contribuir para a melhora dos sintomas.


Tratamentos naturais e mudanças no estilo de vida

A linhaça pode ser considerada uma grande aliada nesse período, pois o seu consumo preserva o ômega 3 e lignanas, geralmente utilizadas na reposição hormonal. Sementes de amaranto são ótimas para controlar o colesterol.


Invista em alimentos considerados antioxidantes, que bloqueiam os efeitos dos radicais livres que danificam as células sadias do nosso corpo, consuma kiwi, laranja, mexerica, mamão, acerola, cenoura, pimentão, nozes, castanhas, cereais integrais, óleos vegetais, castanha do Pará, pistache, carnes, peixes e folhas verdes escuras.


Introduza soja em sua alimentação, pois a soja é considerada um alimento funcional que traz inúmeros benefícios a saúde, atuando na prevenção de doenças crônicas degenerativas, é rica em isoflavona, também chamada de fitoestrógeno por sua estrutura ser muito parecida com o hormônio estrogênio, por isso alivia os efeitos da menopausa, reduzindo problemas causados pela deficiência hormonal, como a osteoporose.


É importante aumentar a ingestão de água e evitar bebidas alcoólicas, refrigerantes, café e o excesso de sal na alimentação.  Cuidando da alimentação vamos “corrigindo” pequenos incômodos que acompanham a menopausa, tratando sem medicamento por mais tempo possível, diminuindo os sintomas e resgatando a autoestima e o bem estar.


Deve-se enfatizar, contudo, o fato de que os medicamentos não hormonais, mesmo os fitoterápicos, podem ter efeitos colaterais severos em doses altas. Além disso, eles podem interagir com outros medicamentos que a mulher já esteja utilizando, provocando diversas complicações. Dessa forma, embora avanços importantes estejam ocorrendo, a terapia deve ser sempre individual, realizada sob supervisão médica, com criteriosa avaliação entre os riscos e benefícios. Conheça o tratamento natural com cápsulas de Menomaster.

Recomendados para você: