filho1

Quando estamos envolvidas com alguém e de repente essa pessoa diz que já tem um filho, o alarme vermelho dispara (naturalmente) e a primeira coisa que imaginamos é: “O que fazer agora?”, encarando o acontecimento como algo desafiador e inesperado. Dúvidas com relação à maternidade, a criação, a educação e aos limites impostos ao filho podem surgir e são bastante naturais. Tudo precisa ser muito bem conversado, principalmente se a criança for pequena e não entender que os seus pais estão separados e que possuem relações com outros parceiros.

Além disso, uma outra forma de aproximação e de amenizar a situação, é conversar com a mãe biológica e deixar muito claro quais são as suas intenções com o tipo de relação que você quer estabelecer com a criança. Respeito e compreensão são as palavras-chave. Você não precisa ser a melhor amiga dela, mas sim saber conviver de forma sociável com todos os envolvidos, certo?

Relação com o filho

Geralmente, o filho do seu parceiro poderá ter ciúmes por achar que você está “tomando o espaço” de sua verdadeira mãe. Em casos positivos, você terá sorte ao desenvolver afinidades e simpatia com ele. Para que a segunda opção aconteça, não tenha pressa em conquistar a confiança do pequeno.

filho4

Calma, paciência e diálogo o farão entender que o seu intuito não é o de substituir o lugar de ninguém. Tente aproximações como, “Eu gosto muito do seu pai, você sabia? Não sou a sua mãe “de verdade”, mas podemos nos divertir e aprender muita coisas juntos se você quiser!”

Controle o ciúmes!

Não tenha ciúmes da relação do seu amado com o próprio filho e também com a mãe da criança. Você terá que entender que ambos permanecerão na vida dele para sempre, pois esse é um laço indestrutível e o tempo de convivência entre os três também.

A melhor estratégia é ter todos ao seu lado. O que você deve pesar é o quanto o cara vale a pena e também o quanto você vai aprender e crescer com essa relação.

54657_khi_con_buong_binh

Sacrifícios terão de ser feitos (como em qualquer outro envolvimento afetivo) sejam eles emocionais e/ou financeiros. Se vocês quiserem casar e estabelecer uma família no futuro, comecem a pensar dessa maneira. O que importa mesmo é você estar satisfeita com a atenção que recebe do seu namorado e ficar à vontade e sem neuras perto do filho(s) dele. Se vale a pena investir nesta relação, invista! Faça o que te deixa feliz!

Não seja Egoísta

Antes de começar algo mais sério, provavelmente você já sabia que ele tinha um filho, correto? Pois é, então em nenhum momento você foi enganada e já deveria saber que já existia uma prioridade na vida dele.

Ok, ok, realmente não é nenhum pouco agradável caprichar na produção para aquele jantar no sábado à noite e de repente levar um perdido em nome do pequenino. Sim, imprevistos acontecem e quando tem criança na jogada, as chances dos imprevistos acontecerem aumentam mais ainda.

filho5

Tenha em mente uma coisa: Se quer mesmo que esta relação dê certo, não tente competir a atenção do seu namorado com o filho. Sim, não é nada fácil lidar com essa situação, no fundo, tudo o que você quer é aquela atenção especial e tempo integral ao lado do gato, né? Mas a verdade é que, quando envolve filho, isso é impossível e você vai precisar SIM saber dividir a atenção dele com o filhote.

Lembre-se que, para dar certo você vai precisar sim assumir ou aceitar o"brinde". A escolha será sua e para isso você precisa avaliar toda a situação, analisar prós e contras, reavaliar os seus sentimentos, enfim, se você consegue passar por cima de tudo isso e acha que o cara vale realmente a pena, por que não continuar?

A verdade é que o filho sempre vai existir e só você sabe o que sente em relação à tudo isso. Se estiver disposta a encarar a situação em nome do seu amor pelo cara, vá em frente. E lembre-se: "Cada escolha, uma renúncia."

E você, está passando por essa situação também? Como está lidando com tudo isso? Conte pra gente!